Tratamentos alternativos :: Fitoterapia
Fitoterapia
Na odontologia, o uso das plantas medicinais não é tão restrito quanto se pensava. Porém as plantas mais usadas e com efetividade comprovada por nós são: guando, pitanga, romã e girassol (óleo) usadas rotineiramente em nosso trabalho no serviço público e clínica privada há mais de 15 anos.

A fitoterapia é uma conduta clínica criteriosa pela qual o profissional opta por ser eficaz, por provocar efeitos colaterais mínimos e por estar ao alcance de todos.

Cuidados no uso de Plantas Medicinais: 
"As plantas devem ser adquiridas de pessoas ou firmas idôneas que possam garantir a identidade e a qualidade da planta fornecida. No caso de ser feita a coleta de plantas nativas, estas não devem estar próximas de estradas - devido aos gases tóxicos de automóveis e a poeira - nem tão pouco próximos a lavouras e/ou cursos d'água que possam estar contaminados por produtos químicos (resíduos industriais, agrotóxicos). Plantas frescas com aspecto ruim, assim como plantas secas mofadas não devem ser utilizadas (podem conter toxinas de fungos). Durante o preparo, devem-se tomar todos os cuidados de higiene e limpeza e após a elaboração do produto, este deve ser identificado corretamente (indicação, modo de usar, posologia, efeitos colaterais, validade)".


Algumas formas farmacêuticas para uso odontológico:

1 - Tintura:
É feita a partir da planta seca, deixando-a em maceração ou correndo o líquido extrator (álcool) em um aparelho de percolação.

2 - Alcoolatura:
É feita deixando-se a planta fresca em maceração com álcool por um período pré-determinado.

3 - Infusão:
É feita vertendo-se água fervente sobre a planta.

4 - Decocção:

É feito o cozimento da planta por um período de 5 a 20 minutos (em fervura).

5 - Solução para bochecho:
São soluções feitas com água a partir da planta fresca ou seca através da infusão ou decocção.

6 - Gel:
É feito através da incorporação de qualquer das formas acima em um gel base (carbopol, CMC, natrosol).