Banana – primeira fruta para o bebê,
uma fruta para a vida inteira

O primeiro sabor que o bebê distingue quando vem ao mundo é o doce e, nesta época, para se alimentar, executa atividades de sugar, fazendo movimentos de sucção.

Depois de alguns meses, a criança está bastante acostumada a realizar esses movimentos, fase também em que já está pronta para iniciar a transição para outro tipo de funcionamento do sistema bucal, que é o movimento de sorver e de mastigar. Seu organismo está preparado para receber alimentos diferentes e, para isso, só depende de treino.

A mão e o talher

O bebê nunca viu colher na vida: para ele, há de ser uma sensação estranha. Põe a língua para fora, parece que está cuspindo, que não está gostando da comida. Acontece que sua língua está acostumada a ir de trás para frente, no movimento de sucção dos líquidos. Com o tempo, a criança vai se habituando ao uso da colher. Devagarzinho, ela vai aprender a lidar com esta ferramenta e começar a sorver movimento dos mais importantes que estimula o crescimento e o desenvolvimento bucal.

A mãe dá, então, o alimento -geralmente uma fruta amassadinha- a banana. Ao ser introduzida a papinha de frutas, o bebê começa a abrir e a fechar a boca, o que corresponde aos primeiros movimentos mastigatórios. A banana amassada é muito estimulante desses desejáveis movimentos, em razão da textura dessa fruta amassada, que é de certa forma viscosa, formando uma liga que induz o bebê a realizar amplos movimentos de abertura bucal, seguidos de uma deglutição bem definida.

Por volta dos sete meses, é aceitável e interessante que o bebê pegue a banana, o pão ou o bifinho com as mãos, pois isso também funciona para estimular a coordenação de levar o alimento à boca.

Assim, a criança tem oportunidade de segurar a banana inteira e de usar o dente, mordendo a fruta de frente. Esses são os benefícios físicos, vistos da ótica da coordenação motora, do hábito de comer banana: alimento com textura adequada para estimular o abrir e o fechar da boca; fruta leve, macia, de tamanho suficiente para o bebê segurar e comer.

A banana: nutriente eficaz

Quando se deseja uma solução rápida para baixos níveis de energia, não há melhor lanche que a banana, fruto nativo da nossa terra, a ponto de representar o Brasil.

A banana fornece uma instantânea e substancial elevação de energia, uma vez que contém três açúcares naturais: sacarose, frutose e glicose. Pesquisas mostram que apenas duas bananas fornecem energia suficiente para 90 minutos de exercícios extenuantes. Não é à toa que a banana é a fruta preferida dos atletas, pois além de fornecer energia, tem uma composição química que a classifica como fruta de alto valor nutritivo. Saborosa, fonte de vitaminas A, B e C, contém fósforo, ferro, cálcio e alto teor de potássio.

Por ser rica em potássio, é importante para a função muscular adequada, inclusive do coração e, por isso, vem sendo indicada por especialistas para compor a dieta habitual de adultos e idosos. Uma banana média, de 115g, fornece um terço das necessidades diárias recomendadas de potássio e ajuda a diminuir o nível de colesterol no sangue.

A FDA (Food and Drug Administration) agência responsável pelo controle de alimentos e remédios dos EUA autorizou a indústria a oficialmente informar a propriedade da banana de reduzir o risco de pressão alta e infarto, pela presença de potássio.

Multiplicando-se em diversos tipos, como: banana-maçã, banana-d'água, banana-prata, banana-da-terra, a chamada “nanica” tem maior quantidade de ferro e, dentre todas, a banana-ouro é a que apresenta maior teor de carboidratos, chegando a atingir 31,7%.

A banana possui a casca, um invólucro natural, que a protege de perdas por oxidação de vitaminas, por dissolução de substâncias nutritivas e evita a contaminação. Além desta função protetora, na casca estão grandes depósitos de vitaminas e minerais e, ainda, pode ser aproveitada na confecção de doces.

Alimentos protetores

Por ser fruta rica em pectina -substância protetora da mucosa gástrica, que tem a capacidade de reter e fixar toxinas intestinais- evita a rápida absorção dessas toxinas, sendo por isso indicada como alimento anti-diarréico.

A banana influi diretamente na boca, de maneira positiva, pelo fato de tais frutos conterem a lecitina, substância que reduz o nível de colonização dos estreptococus mutans (bactérias causadoras da doença cárie), promovendo a sua aglutinação e, ao mesmo tempo, reduzindo a sua presença na boca, fato que diminui a probabilidade de cárie.

Vale ainda lembrar que na banana existe um aminoácido -o triptofano- que participa da produção de um importante neurotransmissor (mensageiro químico que favorece a comunicação entre as células do sistema nervoso) chamado serotonina, que exerce grande influência no estado de humor. A serotonina também conhecida como substância “mágica” e “sedativa” melhora o humor de um modo geral.

Os níveis cerebrais de serotonina são dependentes da ingestão de alimentos, fontes de triptofano e de carboidratos. Uma vez no cérebro, o triptofano aumenta a produção de serotonina, que é o neurotransmissor capaz de reduzir a sensação de dor, relaxar e até induzir e melhorar o sono.

A banana-nanica madura, amarela e pintadinha, é rica em triptofano, o aminoácido precursor de serotonina.

Por tudo isso, lembramos o encerramento de uma publicação científica francesa sobre esse tema, que recomendava: ‘Quando se sentir cansado, coma uma banana.’


Referência:
Profª. Drª. Maria Cristina Ferreira de Camargo – Odontopediatra
Dr. Roberto Mariani - Bucomaxilofacial