Notícias
Uso de Implantes como tratamento para o idoso desdentado
Qualquer alteração na boca pode comprometer o funcionamento adequado de um órgão consecutivo à ela que, pela interdependência dos sistemas orgânicos, ajuda a influenciar outros em maior ou menor intensidade, a curto, médio ou longo prazo.
Por Dra Sheyla Caldas Costa de Medeiros, Cirurgiã-Dentista / J. Jag.,vol.8,n.91:7,Jul06 / Imagem:JonPaulCareless

 

 

A ausência parcial ou total de dentes leva a uma redução na capacidade mastigatória, pois o paciente evita alimentos consistentes e fibrosos, deixando de ingerir nutrientes essenciais para a boa qualidade da sua dieta e que contribuem para exacerbar os problemas sistêmicos que, por sua idade, já possa estar apresentando. 

Para voltar a permitir uma função mastigatória adequada às suas necessidades alimentares mínimas na 3ª Idade, diversas opções protéticas são viáveis aos idosos como próteses convencionais fixas, removíveis, totais e sobredentaduras. Porém, sua menor eficiência mastigatória, quando comparadas à dentição natural se tornam evidentes especialmente para suprir as necessidades funcionais nesta faixa etária.

Nos últimos anos, os implantes dentários assumiram grande importância entre a população geriátrica, onde além de melhorarem a estética e a função, as próteses implanto-suportadas podem prevenir a perda de auto-estima e combater o isolamento social, causados pela ausência de dentes ou destes estarem em péssima composição para um correto preparo do bolo alimentar, bem como no aspecto visual e assim não permitindo ao indivíduo desfrutar de um envelhecimento com boa qualidade de vida física, social e psicológica.

Os implantes dentários funcionam como “pinos“ intra-ósseos que são capazes de melhor reter as próteses totais (“dentaduras”) em posição, evitando o seu deslocamento, podendo serem usados também como suporte para próteses fixas. O material desses implantes é o titânio puro, que é e biocompatível com os tecidos bucais, ou seja, não causam danos a cavidade bucal. 

O fato de ser idoso não seria uma contra-indicação para o uso de implantes. Vários estudos mostram que os problemas cirúrgicos ou protéticos e complicações encontradas em pacientes geriátricos são similares àquelas reportadas em alguns pacientes jovens ou mesmo adultos. O tratamento com implantes deveria levar em conta normas médicas de saúde geral, onde todo o esforço deve ser focado na seleção meticulosa do paciente, visando considerar possíveis condições geriátricas responsáveis por previsíveis falhas no uso de implantes.

Procure seu dentista e converse com ele, pois os implantes devem durar muitos anos, mas precisam ser muito bem planejados e discutidos com os médicos, baseado nas características de saúde daquele paciente idoso e aí é só sorrir e usufruir a 3ª Idade!